Home » Games » O que o mercado de games busca nos CMOs tradicionais?

O que o mercado de games busca nos CMOs tradicionais?

Por: Luiza Perazzini

5 de abril de 2021

O que o mundo dos games busca nos CMOs tradicionais?

Nesta sexta-feira, 2, um dia após a confirmação da saída de Fernando Machado do cargo de CMO da Restaurant Brands International, holding do Burger King, Popeyes e Tim Hortons, após oito anos, o site AdAge confirmou que Machado assumirá como CMO global da Activision Blizzard.  A empresa é fruto da fusão, em 2008, das duas maiores empresas de games do mundo. Hoje, a companhia é dona de clássicos como World of Warcraft, Diablo e Overwatch. Machado conduziu o Burger King de 2014 a 2017 até assumir a holding em janeiro do ano passado.

Stevenage FC se tornou um case global do Burger King no mundo dos games

Considerado uma marca não endêmica, ou seja, aquela que não está diretamente ligada à indústria de games, o Burger King possui vários cases envolvendo games. Globalmente, protagonizou o case do Stevenage FC, time da quarta divisão do Campeonarto Inglês que virou um campeão no FIFA. Também o Burger King, lançou, na semana passada, o Menu Court, transformando as quadras do jogo NBA 2K21 em um verdadeiro menu. Aqui no Brasil, o Burger King fechou uma parceria com Free Fire, em 2019, com uma promoção que incluia distribuição de recompensas reais e virtuais, akém do patrocínio da Pro League do jogo da Garena.

O Menu Court transformou as quadras do jogo NBA 2K21 em um verdadeiro menu

No Brasil, a marca desenvolveu um projeto em 2019 com patrocínio e ações envolvendo o Free Fire

Agora, na liderança de uma das maiores desenvolvedora de games do mundo, com receita de quase US$ 7 bilhões anuais, Machado tem a missão de levar a expertise e os conceitos do marketing de grandes marcas para o mundo dos games que, até 2023, devem faturar mais de US$ 200 bilhões. O movimento de Machado não é inédito nesta indústria. Grandes executivos de empresas de bens de consumo estão assumindo posições importantes no segmento de jogos eletrônicos.

Nike, Fortnite e Apple

Em fevereiro do ano passado, Adam Sussman, executivo com passagens por Disney, deixou a Nike para assumir como CEO da Epic Games, dona de Fortnite, plataforma que possui mais de 200 milhões de jogadores. No caso da Epic Games, Sussman tem sido fundamental para viabilizar parcerias de licenciamento e, sobretudo, tornar o jogo capaz de movimentar muito além do que performance, mas desenvolver bases de licenciamento e marca. Desde 2020, por exemplio, a Epic Games trava uma batalha judicial com a Apple e, chegou, inclusive, a parodiar o emblemático comercial 1984.


Fonte: https://marketingfuture.today/o-que-o-mundo-dos-games-busca-nos-cmos-tradicionais/

[mashshare]